revoluciomnibus.com  
 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

the white lines on the freeway tema recorrente da vida de artista no país-continente do refúgio das estradas do refúgio nas estradas rodoviárias aéreas e ferroviárias, hoteis, moteis, cortinas, limusines, palcos, holofotes, solidão

 

 

 

 

 

 

 

lofot Faixas de dois discos com referências diretas ao tema fascinante do motor country, a motor home por excelência, o país sobre rodas e com asas, de que - de onde parte a melhor ficção da terra que alargou a fronteira de Leste a Oeste e de Norte a Sul de um oceano a outro, do Hemisfério Norte ao Hemisfério Sul, com o Canadá perfeitamente integrado quando se fala em termos de rock e do outro lado do rock,

a rotina feérica:

I took a ferry to the highway Then I drove to a pontoon plane I took a plane to a taxi And a taxi to a train I´ve been traveling so long How´s I ever going to know my home when I see it again - Black Crow;

rock de ponta a ponta seja ele Ludwig ou Brahms ou jazz, a par com a vida de artista (For Free, Freeman in Paris, For the Roses) e os homens (Willie, Blue, Coyote, Conversation - y´ name it) e mulheres (Amelia,Cherokee Louise).

 

Tema da contraparente Carole King com obsessão concentrada em uma pílula, So far away, em que a narradora que viaja - afinal sempre ausente - reclama das ausências.

 

 

 

 

 

 

A canção da estrada

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Numa madrugada a cantora canadense Judy Collins recebe um telefonema do amigo e conterrâneo Al Kooper, então tecladista do Blues Project. Al falava do Canadá, onde acabara de conhecer a jovem Joan Alberta Anderson, que lhe mostrara algumas composições de sua autoria que o deixaram fascinado. Joni casa-se em Toronto e se separa em três semanas de Keith Mitchell, com quem entretanto viaja para Detroit, onde havia uma pequena colônia de artistas canadenses entre os quais Tom Rush, que não marca touca e inclui Urge for Going em seu repertório. Em pouco tempo Judy Collins gravava Michael From The Mountains e Both Sides Now, um de seus maiores sucessos.

Song to a seagull, o primeiro LP de Joni Mitchell (1968) , foi produzido por David Crosby, baixista do The Byrds. Em seu segundo LP, Clouds, quem toca o contrabaixo elétrico é Stephen Stills, membro do Buffalo Springfield. Mais do que coincidência, por toda a carreira a musicista, poeta e pintora cativa quantos (grandes) artesãos da música encontra pela estrada e vai armando o que em uma de suas primeiras obras chamou The Circle Game.

I could drink a case of you / And still be on my feet. Os dois versos de A Case Of You, que lançará em Blue (1971),  são apenas um exemplo entre a miríade de casos poéticos avassaladores criados por uma criadora de casos íntimos e universais que é um dos maiores músicos do final do século XX, por si mesma e pelo Circle Game que vai armando em sua vida e carreira. Originais e versões de composições lançadas por terceiros no início da felizmente longa e venturosa estrada provam que a cantora, violonista e pianista é sua melhor intérprete. Na base do malabarismo sobre um fio de arame, pois o ouvinte do que poderia ser apenas um fio de voz perigosamente situada em registros de um wide range contralto de larguíssima abarangência e arriscando ainda mais em frequentes tergiversações do grave possível aos Himalaias, não raro em versos livres que a obrigam a esticar ou encolher como que aleatoriamente as melodias, quantas vezes sobre estruturas harmônicas assaz complexas, e como se não bastasse interpretando os relatos das letras (diálogos muitas vezes) em música com modulações vocais, fica de respiração suspensa à espera que descambe. O que nunca acontece. Joni nunca produziu (auto-produziu, no seu caso, porque sempre se produz ou co-produz) um disco que não estivesse acima da média e entre 1968 e 78 disparou uma série do que se costuma destacar como obras-primas. 

Vale a imagem do malabarista também para a especificidade do que escreve e a cara de pau desconcertante com que revela como em um diário aberto sua privacidade - talvez a um passo mas sem alguma vez cair no pieguismo ou na vulgaridade, situando o ouvinte/leitor no epicentro da sua vida (à primeira vista, lá longe nos primórdios, insuspeitavelmente) vulcânica com um intimismo deveras intimidante - aliás, muito no gênero de outro conterrâneo celèbre, Leonard Cohen, que em 1970 lança à arena Songs of Love and Hate e, entre outras jóias, obras-primas da insanidade artística e humana como The Butcher. Joni, não. Talvez por seu Circle Game - sua távola redonda ou o que fosse - inicial se formar entre cavaleiros muito cavalheiros, ou quem sabe por delicadeza, canta como se as experiências por que passa não deixassem grandes ferimentos e cada situação nova seja não mais uma mas a que precede as que estão para vir.

A painter derrailed by circunstance, Joni cumpre em narrativa literária o programa de Anaïs Nin, em registros de intimidade intimidante e intimidatória derrama-se nos diários e nos auto-retratos que periodicamente publica nas capas de seus discos, os diferentes volumes dos seus diários de bordo, na estrada onipresente entre refúgios em MOteis em que expõe a criação da ida sem volta, em vida, da vida de uma jovem educada conforme o figurino, como se vê na terceira faceta de sua vida de artista - a música é o centro e que desenvolve à medida que amadurece a partir de bases sólidas que são as que revela na adolescência de Chelsea Morning e Both Sides Now: plenamente capacitada para a música e para a poesia ou crônica e como desenhista e pintora. Expõe-se a nu e insolente e altiva, dona de si, do verbo e do som em floração orgânica e sem peias, individuada, esteticamente descentrada, erotizada, intimidatória até nos riscos que corre sem correr, de descambar no vulgar ou escorregar em vocalises de matar ou morrer que envolve - em ambos os casos - intimidatoriamente a contraparte, amante ou ouvinte.

Eloquente e exustiva, do que quer que fale sobre sua vida de artista e mulher dos pós-guerras de guerras, cinismo e destruição.

.............

I Came To The City .................................Out Of The City And Down To The Seaside

 

Ladies of the Canyon, em que já entra de gozação com a nova vizinhança de Los Angeles, para onde se muda do eixo Detroit-Nova York após os primeiros sucessos, off Sunset Boulevard, é o disco em que Joni Mitchell passa a burilar com o sangue frio, talento, perspicácia, perseverança, determinação e a firmeza que lhe seria muito peculiar a tessitura e a trama da música além da forma de balada ou canção e que muitas vezes (Coyote, de 1975, por exemplo, também só como um exemplo entre muitos) soa disforme, em peças de estilo muito próprio e PECULIARES. De Joni Mitchell. Que, como antes, em For Free, com Paul Horn soprando delicado um clarinete de doer e que na origem da canção era o do kevin-ayersiano Lol Coxhill, Woodstock, Big Yellow Taxi - they paved paradise and put up a parking lot -, Urge for Going, The Circle Game, Willie mostra que, contra todas as aparências, Joan / Joni não veio ao mundo apenas para as baladas (Ou Goodbye Pork Pie Hat). For the roses, 1972:

 

 

.............

...........................

 

C A N A D I A N   C O N N E C T I O N

The Last Waltz

Canadian  Connection no Circle Game do rock - ou que lhe pareça - deu ao mesmo forte impulso para a transcendência: The Band, Al Kooper e Steve Katz do Blues Project, que dá origem a Blood, Sweat & Tears e Seatrain, Judy Collins, Tom Paxton, Leonard Cohen, Neil Young, a que em 1970 se junta e passa como um meteoro Melanie Safka (Lay Down e Beatiful People). Óbvio, The Last Waltz, Martin Scorsese. The last Band.

 

Joni Mitchell: biografia cabal em estilo convencional

 

Joni Mitchell: uma discografia cabal a que falta no entanto as coletâneas de títulos auto-gozativos (próprios do perfil literário da cantautora) Hits e Misses

 

 

................

 

 

 

 

 

JONI MITCHELL RUNS FAST

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

revoluciomnibus.com

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

. Sounds familiar

After the gold rush

 

 

 

 

 

Sounds familiar 1970

Nash Mitchell Sebastian

 

 

 

 

 

James Taylor & Joni Mitchell

 

 

 

 

 

 

Sounds familiar 1971

Joni e Stills em uma ilha

 

 

 

 

 

 

 

Sounds familiar 1972

Crosby

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

           

so listen to the rhythm of the gentle bossa nova

     

  narrativas  de  rock  estrada  e  assuntos  ligados

          

 notas & narrativas de travelogs de jimi sawyer, edgar lessa e james anhanguera

   
 

francesco zappa 

contra o garni du jour

1969 Instant Karma῾s gonna get ya

 

and round in the circle game

América segundo Crumb é daqui

the times they are a-changin´

and round in the circle game

webpagerevoluciomnibus.com

 da série       so listen to the rhythm of the gentle bossa nova

                narrativas de rock estrada e assuntos ligados

                            notas & narrativas de travelogs de jimi sawyer, edgar lessa e james anhanguera

r MAPA DO SITE MAPA DA MINA         revoluciomnibus.com        

  ciberzine & narrativas de james anhanguera              QUEM SOMOS            e-mail

 a triste e bela saga dos brasilianos do desastre de Sarriá às arenas italianas

 la triste e bella saga dei brasiliani dalla strage di Sarrià alle arene italiane

   MÚSICA DO BRASIL

      DE  CABO A RABO

Notícias

             do          

   Tiroteio

A Fome no Mundo e os Canibais 

meio século de psicodelia e bossa nova

so listen to the rhythm of the gentle bossa nova  

  narrativas  de  rock  estrada  e  assuntos  ligados 

  Eternit    alvenaria    móveis das casas bahia sambagode   breganejo   rap funk & derby azul  no  sacolão  do  faustão

Novelas & Trivelas  

Boleros & Baladas

 

  LusÁfricabrasileira

   lusáfricabraseira

           você está aqui    

revoluciomnibus.com eBookstore

 

acesse a íntegra ou trechos de livros de james anhanguera online a partir DAQUI

 

revoluciomnibus.com - ciberzine & narrativas ©james anhanguera 2008-2017 créditos autorais: Era Uma Vez a Revolução, fotos de James Anhanguera; bairro La Victoria, Santiago do Chile, 1993 ... A triste e bela saga dos brasilianos, Falcão/Barilla: FotoReporters 81(Guerin Sportivo, Bolonha, 1982); Zico: Guerin Sportivo, Bolonha, 1982; Falcão Zico, Sócrates, Cerezo, Júnior e seleção brasileira de 1982: Guerin Sportivo, Bolonha, 1982; Falcão e Edinho: Briguglio, Guerin Sportivo, Bolonha, 1982; Falcão e Antognoni: FotoReporters 81, Guerin Sportivo, Bolonha, 1981. E-mAIL

educação diversão desenvolvimento humano

facebook.com/ james anhanguera twitter.com/revoluciomnibus instagram.com/revoluciomnibus - youtube.com/revoluciomnibus dothewho

TM .........................

Carolina Pires da Silva e James Anhanguera

TM