..revoluciomnibus.com ...........................................................................,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,..............MÚSICA DO BRASIL DE CABO A RABO

MILTON NASCIMENTO.....
1965-1980...........

...... ...... ...... . .... .............. ....... ...+ ...

...,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,, ........... ...Sambacana (Pacifico Mascarenhas)- Muito pra frente (1965) .......................................................................Travessia (1967) .............................................................Milton Nascimento (1969)

..........
.............................................................Milton (1970).............................................................Clube da Esquina (1972)

............
.........................................Milagre dos Peixes (1973) .............................................Milagre dos Peixes Ao Vivo (1974)

...........
.............................................................Minas (1975).................................................................................Geraes (1976)

...........

...........................................Clube da Esquina 2 (1978).............................................................................Sentinela (1980)

Native Dancer (1974)

........

Boa parte do recado está em Outros Discos Básicos  Música do Brasil de Cabo a Rabo revoluciomnibus.com DAQUI
o famoso disco do tênis de Lo Borges.   Aquele que se levaria para a ilha deserta, E O CLUBE DA ESQUINA ... N A
Quando Milton Nascimento juntou o grupo, a tribo, entre São Paulo, Rio de Janeiro e Belzonte (Roberto Silva fala em sua estreia no Som Imaginário na Sexta-Feira Santa de 1969 em São Paulo) gerou uma explosão baseada na exploração do universo de sons com uma plêiade de instrumentistas e poetas de primeiríssima entre Minas Gerais e a espanholada do mineiro, como a descreveu Mário de Andrade nos anos 1930, cantochão gregoriano, toada e barroco, jazz, batuque africano e afrobrasileiro, bossa nova e pop rock em torno de sua voz forte de timbre único e extensão do arco-da-velha por toda a década de 1970 em que navegou também com Ron Carter, Hubert Laws, Herbie Hancock e Wayne Shorter, e em que o Som Imaginário e Clube da Esquina gravou alguma da música mais bela e criativa e PLURIFACETADA da era de Weather Report, Joni Mitchell, Santana, Frank Zappa, aqueles lá, Miles Davis, Hermeto Pascoal, Egberto Gismonti e y' name it, discos básicos, a saber

Sambacana (Pacifico Mascarenhas) - Muito pra frente (1965) - Milton Nascimento estreia à frente de um quarteto vocal
Travessia (1967) Milton Nascimento (1969) - Milton Nascimento revela VOZ e REPERTORIO de estalo e de espanto
Milton (1970) Clube da Esquina (1972) Milagre dos Peixes (1973) Milagre dos Peixes ao Vivo (1974) Minas (1975)
Gerais (1976) Clube da Esquina 2 (1978) Sentinela (1980) - A década do desbunde do Som Imaginário e Clube da Esquina
Native Dancer Wayne Shorter (1974) - cinco de nove faixas de e com Milton Nascimento. Um capolavoro com tres faixas de autoria de Wayne (uma dedicada a Ana Maria, responsável pelo encontro sacramental) e uma de Herbie Hancock, o pianista do disco, com Robertinho Silva (bateria) Ron Carter (baixo) Airto (percussão). Wagner Tiso no órgão dá o toque mais progrock da discografia do saxofonista.
Disco Básico,,12 Disco Básico DE UMA VEZ
Outros Discos BásicosLeia e veja sobre A Tábua de Esmeralda, Disco Básico de Jorge Ben a partir DAQUI

revoluciomnibus.com

atualizado em 16 de fevereiro de 2021

 Disco Básico 

       o famoso disco do tênis.   Aquele que se levaria para a ilha deserta, Mas básico porque seminal.  Pelo indescritível impacto provocado em 1972  -  como Milton,  de que é gêmeo, produzido ombro a ombro com quase todos os acompanhantes de Milton Nascimento.  Lô + Som Imaginário, ou Clube da Esquina, que lhe gerara e lhe girava em torno.  A primeira prova-marca desde os estonteantes dois primeiros LPs dos Mutantes de que o Brasil podia ser pop.  Original no gênero.  E em português!  O impacto produzido até hoje pelo disco do tênis é duplo:  letra e música (e a voz frágil...).  As imagens de Márcio Borges são as mais poéticas, insólitas, bizarras, chocantes porque tão fora do lugar comum e ao mesmo tempo muito familiar em vários idiomas, como a música de dissonâncias rejuvenescedoras MPB e pop-rock em português com riqueza temática e imagística  impressionista entre as mais originais do repertório popular contemporâneo.  O disco do tênios é peculiar como Blind Faith. A primeira marca  - com um par de tênis  -  como a da primeira pisada do homem na lua:  um marco.

 

     MÚSICA DO BRASIL DE CABO A RABO

...................Disco Básico   Lô Borges  .o famoso disco do tênis e o . Clube da Esquina

https://www.youtube.com/watch?v=J5fwUpcaI6M&t=27s

They're my shoes on the album cover. I remember going on a trip to Brazil in the summer of 71 and some little favela boy stole my shoes when I was sleeping on the beach. And I always remember they were my lucky shoes with the first stripe missing on the left one. Disgusting that they advocated the theft of a man's Adidas's just for an album photoshoot

RESPONDER
em youtube.com

 

. .

com o disco do tênis, de Alunar em Milton (1970) a Ruas da Cidade em Clube da Esquina 2 (1978) de Milton Nascimento a obra fundamental de Lô Borges

https://www.youtube.com/watch?v=e9-c8b76OMk&list=PLQSGKwfvWpEHulKtGmVgWf2SH62lJhXNG

https://www.youtube.com/watch?v=kZNdbBYLliE&t=15s

https://www.youtube.com/watch?v=DpgJnmUfr7Y&list=PLQSGKwfvWpEHJ-tL-dAHLiBQ55as_cdNK&index=1

 

Documentário: História do Clube da Esquina - A MPB de Minas Gerais

45 minutos de depoimentos de Lô, Márcio Borges, Milton Nascimento e vários parceiros da origem a Clube da Esquina 2 sobre TUDO
de Evolussamba e Sambacana, com um precioso Pacífico Mascarenhas

https://www.youtube.com/watch?v=SACaczm6gA4

    

https://www.youtube.com/watch?v=YxctsWY6AuM

Clube da Esquina Nada Será Como Antes doc. Diogo de Oliveira de 01:00

Lô, Márcio Borges, Fernando Brant, Ronaldo Bastos, Tavito Moura e vários parceiros da origem a Clube da Esquina 2 sobre TUDO, detendo=se em cada detalhe da criação, a começar pela sanha da criação coletiva da composição ao arranjo final em grupo no estúdio, música de Minas Gerais para o mundo com música regional e clássica de Minas Gerais, jazz se quiserem e pop=rock empacotada com a mais alta competência com o que chega a ser dito por um depoente de um dos dois documentários como mesa de 2 canais 2 pistas mas que em verdade seria de 4 canais ou pistas, nos estúdios Odeon, Rio de Janeiro, de 1970 a 1972, ano em que os grandes estúdios de Londres e Nova York já operavam com consoles regies mesas de edição e montagem de 32 pistas, o que é ponto de partida para a análise da competência dos rapazes para em tais condições (4 canais ou pistas) produzirem som da qualidade do de Milton (1970). Clube da Esquina por força de expressão, porque era isso mesmo, foi uma expressão das mais poderosas no mundo então da capacidade artesanal e tecnológica = know=how = musical e poética individual e de conjunto,

ROBERTINHO, DANILO CAYMMI, NOVELLI, LUÍS ALVES, FREDERYKO, BETO GUEDES, WAGNER TISO, DORI CAYMMI, NELSON ANGELO, NANÁ VASCONCELOS, TONINHO HORTA, LÔ BORGES, TAVITO, FERNANDO BRANT, MARCIO BORGES, RONALDO BASTOS, RUY GUERRA, PAULO MOURA, NIVALDO ORNELLAS, PAULINHO BRAGA

pop-rock com soul sul-americana
pop-rock é pouco - som universal
da década 1970 com bossa e jazz

Quando Milton Nascimento juntou o grupo, a tribo, entre São Paulo, Rio de Janeiro e Belzonte (Roberto Silva fala em sua estreia no Som Imaginário na Sexta-Feira Santa de 1969 em São Paulo) gerou uma explosão baseada na exploração do universo de sons com uma plêiade de instrumentistas e poetas de primeiríssima entre Minas Gerais e a espanholada do mineiro, como a descreveu Mário de Andrade nos anos 1930, cantochão gregoriano, toada e barroco, jazz, batuque africano e afrobrasileiro, bossa nova e pop rock em torno de sua voz forte de timbre único e extensão do arco da velha por toda a década de 1970 em que navegou também com Ron Carter, Hubert Laws, Herbie Hancock e Wayne Shorter, e em que o Som Imaginário e Clube da Esquina gravou alguma da música mais bela e criativa e PLURIFACETADA da era de Weather Report, Joni Mitchell, Santana, Frank Zappa, aqueles lá, Miles Davis, Hermeto Pascoal, Egberto Gismonti e y' name it, discos básicos, a saber

Milton (1970) Clube da Esquina (1972) Milagre dos Peixes (1973) Milagre dos Peixes ao Vivo (1974) Minas (1975)
Native Dancer Wayne Shorter (1975) Gerais (1976) Clube da Esquina 2 (1978) Sentinela (1980)

Cada caso é um grande caso em termos de sonoridade (com capacidade de auto-produção espantosa, dada a precariedade de recursos técnicos) e narrativas-manifestos que sintetizam projetos ou projeções de simbolismos estonteantes - do barro ao pé na estrada entre campo e cidade elétrica na América do Sul. Um acorde metálico em dó menor de abertura beethoveniana estabelece um corte com a narrativa anterior de Milton Nascimento, que nos dois discos de estreia apresenta repertório assombroso e o melhor canto e acompanhamento do mundo no formato-padrão de arranjo e produção da canção brasileira em disco perto de 1970, quando o acorde majestoso de abertura de Milton em Para Lennon e McCartney funda um padrão totalmente moderno e a seu modo revolucionário, afim com o mundo e absolutamente próprio, seu, de Som Imaginário e Clube da Esquina: ouve-se com amplidão hendrixiana pelo equilíbrio apurado entre captação em close, som ambiente e uma pitada ou outra de câmara de eco sons de profundezas e altitudes imemoriais, é toada, é moderna, é pop, é Should Have Known Better, é a chacoalhada das matas vivas da Africa mineira de Milton Nascimento animada (em todos os sentidos) por voz e percussão de Naná que voltará em 1973, dando um banho de percussão e voz com Milton no lado A de Milagre dos Peixes. Cada caso é um CASO e episódio muito diferente em termos de espírito e sonoridade(s) mas tão marcante da aventura do Clube da Esquina, Beco do Motta na grande música criativa da década de 1970. Cada passo é um movimento, o movimento da esquina do Curral d'El-Rei para a Islandia, a América, o Japão, nuvem cigana, um girassol da cor do seu vestido. Clube da Esquina. Uma série de oito bombásticos discos conceituais avant l´être, como gosto de dizer, sem em nenhum momento enunciar isso e que o não seriam nem mesmo pelo espírito das letras, a compor uma estória, mas pelo conceito de espetáculo sonoro com a pegada e sonoridade de cada ocasião, criação individual e coletiva. Os músicos são patota e geniais, a voz do cantor é chamada a mais fantástica voz de homem que se ouve hoje em dia la plus fantastique voix d´homme que l´on peut entendre aujourd´hui, o entrosamento geral é impecável e o resultado do brilhantíssimo trabalho deixa o mundo boquiaberto. Milagre dos Peixes é ópera ímpar, com riqueza de generos musicais impar, Minas talvez o Sgt. Pepper's da era de Weather Report, Clube da Esquina 2 o insuspeitável mas suntuoso gran finale da década em que quem não dormiu no sleeping-bag nem sequer sonhou. Sentinela (1980) um apêndice luxuoso com Nana Caymmi, Mercedes Sosa e mais um bando mineiro, Uakti.

.............

O CASO Milagre dos Peixes (1973) é um CASO também como caso gráfico e aqui é uma homenagem a Cafi, que fez o design da capa de LP que se abre e mostra o blow-up de uma mão negra (a capa frontal fechada) segurando a cabeça de um bebê negro (a contracapa do LP) e no capão interior outro belo poster, a proverbial foto do pequeno Milton Nascimento com uniforme de marinheiro e Milagre dos Peixes não é um LP, é um LP + o que hoje se chama um bonus de três faixas incluídas num disco menor de 45 rpm e que então se chamava Extended-Play (EP) ou compacto duplo, Cafi - um dos genios da raça do grafismo em capas de LP - fez um encarte para o bolachão e a bolachinha e das folhas em leque de arco-íris como folhas-ficha dos músicos e das letras do disco, para cruel ironia algumas censuradas - onde Milton pos mais grito, pranto, canto -e Cafi é um dos genios da raça do grafismo e fez história em capas de LP - como Elifas Andreato também fez umas quantas de espanto como as de Nervos de Aço, de Paulinho da Viola (1973), e Confusão Urbana Suburbana e Rural, de Paulo Moura (1976).

Na edição digital da era pós-censura de Milagre dos Peixes, sobre-impresso ao final de Eu Sou Uma Preta Velha Aqui Sentada Ao Sol, figura a gravação de Nana Caymmi dizendo a letra que finalmente se revela da faixa, quando se constata que até falando a cantora - membro-honorário do Clube - canta o fino.

 

Música do Brasil de Cabo a Rabo

ECOS E REVERBERAÇÕES DO SÉCULO DAS CANÇÕES

MINAS ...Milton Nascimento conquista Paris e a Europa

a acordar a meio da manhã, descer até uma prainha deserta entre as rochas, os pés virados para as bandas do Brasil sobre o mar prateado à contraluz do sol

A trilha sonora a contento, ouvindo quase sem cessar Native Dancer, de Wayne Shorter, com Ron Carter mais Herbie Hancock e a turma de Milton Nascimento, em que o sopro langoroso do saxofonista, o fumo e a canção Tarde nos fazem sonhar com as mulheres para trás e à nossa frente:

 

......................................................das sombras quero voltar
..............................................................somente aprendi muita dor

                           e vi com tristeza

                           o amor morrer devagar

                           se apagar

.....................................................................

Nas horas vagas, leio aqui e ali da única literatura da mochila o último número de Rock&Folk, em que me surpreendo com uma crítica ao último disco de Milton, Minas, e mais ainda com o teor & estilo do recensionista, Raoul Dengdett, que chama a atenção até para a capa insolemment hip e descanta:

Milton Nascimento
Minas
Odeon Brésil EMCB 7911 (import Soul Posters)

Pas de gadget, pas de clins d’oeil accrocheurs, ily a avant toute chose la fabuleuse photo d’unregard. Deux yeux plus lourds que le poids de la
terre; deux yeux qui savent, plantés dans la plus sensuelle face nègre que l’on ait vue, deux yeux qui témoignent, dans l’au-delà. La gueule de Milton Nascimento, le corps de Milton Nascimento, tout cela est absolumenindissociable d’une musique que prendimmédiatement au ventre tant son caractère charnel – magique - s’impose d’emblé. On délirera sur ses cils infinis, sur ses naseaux impérieaux, sur ses levres débordantes comme on délirera a l´écoute de cette voix qui est - je pese mes mots - la plus fantastique voix d´homme que l´on peut entendre aujourd´hui. "Minas" permet d´ailleurs les contacts les plus sensuels avec cette voix inimaginable imposant sa folie dès la première note (c'est flgrant lorsque cette voix n'apparait qu'en cour de morceau surimpressionée au milieu d'un choeur d'enfants, d'une forêt de sopranos, d'une mer de synthétiseurs).
MI comme Milton, NAS comme Nascimento. Minas comme Minas Girais d'où est issu le plus grand génie de la musique du Brésil (seul Egberto Gismonti saurait lui être comparé). Au point de vue chant pur, Nascimento ne saurait trouver de concurrent que chez les plus parfaits vocalistes indiens. Au point de vue de composition, ses mélodies possèdent un caractère à la fois parfaitement simple (écoutez le morceau "Minas", sorte de ronde enfantine) et transcendent grâce au traitement que le chanteur leur fait subir ("Paula e Bebeto" reprend par exemle la mélodie de "Minas" en la transfigurant). Au point de vue rythme, faut-il rappeler que Nascimento a travaillé avec deux des plus illustres percussionistas du Brésil: Airto Moreira e Naná Vasconcelos. C'est assez dire la richesse que l'on peu attendre sur ce plan-là également (changement de rythme de "Saudade dos Aviões", flou rythmique de "Trastevere"), "Minas" regorge également de trouvailles au niveau de l'orchestration, seul plan sur lequel Gismonti saurait être valablement comparé à Nascimento. Il faut dire que pour ces orchestrations, comme parfois pour les compositions, Nascimento se fait aider par ses inséparables compagnons Wagner Tiso, Nelson Ângelo et l'admirable Novelli (la partie de basse de "Beijo Partido" vaut l'achat du disque à elle toute seule). Pas besoin de vous dire que les textes - pour ceux qui ont la chance de compendre la plus belle langue du monde, chance que je leur envie - ont la réputation d'être des sommets de poésie contemporaine. Ils sont évidemment reproduits à l'intérieur de la pochette sur un livret insolemment "hip" (impression violet et argent sur papier havane). - RAOUL DENGDETT

                     

Nada de truques, nada de piscadelas d’olhos de paquera, o que se tem antes de tudo mais é a fabulosa foto de um olhar. Dois olhos mais pesados que o peso da terra, dois olhos sapientes, plantados na mais sensual cara negra que já se viu, dois olhos que testemunham, no além. A cara de Milton Nascimento, o corpo de Milton Nascimento, tudo isso é absolutamente indissociável de uma música que de um golpe nos agarra pelo ventre porque o seu carácter carnal – mágico – impõe-se de caras. Deliraremos com os seus cílios infinitos, com os seus nasais imperiais, com os seus lábios transbordantes como deliraremos à escuta desta voz que é - peso minhas palavras - a mais fantástica voz de homem que podemos ouvir hoje em dia. "Minas" permite aliás os contactos mais sensuais com esta voz inimaginável que impõe sua folia desde a primeira nota (é flagrante quando esta voz aparece já no curso da faixa sobre-impressa na massa de um coro infantil, de uma floresta de sopranos, dum mar de sintetizadores).
MI como Milton, NAS como Nascimento. Minas como Minas Gerais de onde vem o maior gênio da música do Brasil (só Egberto Gismonti poderia a ele ser comparado). Do ponto de vista canto puro, Nascimento não teria concorrente além dos mais perfeitos vocalistas indianos. Do ponto de vista da composição, suas melodias possuem um carácter a um só tempo perfeitamente simples (escutem a faixa "Minas", espécie de cantiga de roda infantil) e transcendente graças ao tratamento que o cantor lhes dá ("Paula e Bebeto" retoma por exemplo a melodia de "Minas", transfigurando-a). Do ponto de vista do ritmo, é preciso lembrar que Nascimento trabalhou com dois dos mais ilustres percussionistas do Brasil: Airto Moreira e Naná Vasconcelos. E o que dizer da riqueza também nesse plano (mudança de ritmo de "Saudade dos Aviões", fluxo ritmico de "Trastevere"). "Minas" fascina igualmente pelos achados ao nível de orquestração, único plano em relação ao qual Gismonti seria comparável a Nascimento. Cabe dizer que para as suas orquestrações, como muitas vezes para as composições, Nascimento se faz auxiliar pelos seus inseparáveis companheiros Wagner Tiso, Nelson Ângelo e o admirável Novelli (a parte do baixo de "Beijo Partido" vale por si só a compra do disco). Não precisaria dizer que os textos - para os que entendem a mais bela língua do mundo, sorte que lhes invejo - têm a reputação de ser picos da poesia contemporânea. Eles estão evidentemente reproduzidos no interior da capa sobre um folder insolitamente "hip" (impressão violeta e prata sobre papel havana). - RAOUL DENGDETT

A cousa causa forte impressão até porque a revista francesa não costuma publicar nada que não tenha a ver exclusivamente com rock ou música francesa e québecquoise.

................. relato de James Anhanguera em ...

.............................................HONRA E GLÓRIA A LAURENT GODDET

 

ECOS E REVERBERAÇÕES DO SÉCULO DAS CANÇÕES

Eu sou da América do Sul
Eu sei vocês não vão saber
Mas agora sou cáuboi
Sou o ouro, eu sou vocês
Sou o mundo, sou Minas Gerais

Na perspectiva de um corte de Milton (1970) para a plenitude da grande música miltoniana - a partir de então voz(es), música, letra, acompanhamento e produção acurada e de muito impacto -, tudo parte e regressa de e para Para Lennon e McCartney. O recado está dado com clareza: you Should Have Known Better do lixo ocidental, do cabo do mundo.
Milton Nascimento, entre outros arcanos no Brasil e no mundo, é da era que também faz a síntese da história da canção, em seus mais diferentes formatos, e seu clube (da Islândia ao Japão) é de jograis, menestreis, trovadores dando testemunho, depoimento, informação impressionista ou "objetiva", declaração de princípios ou de fé mineiros (do sal da terra do fim do mundo) e universais (o da progressiva London, London de exílios). Aqui ó (Minas Gerais -Toninho Horta), Para Lennon e McCartney. Até hoje o mundo Should Have Known Better dos desígnios do fim do mundo ocidental, nos cafundós do sertão de Caicó, de que naqueles tempos se libertava pela riqueza de sua arte, uma das riquezas da terra, e as visões que dela dava a guimaraesrosaeana sou o mundo, sou Minas Gerais.


..... ..outro episódio histórico da trajetória do Clube da Esquina, obra-prima de 1973 de parceiros mineiros, carioca e pernambucano da patota de Milton Nascimento com o auxílio luxuoso de fernando leporace, lô borges, frederyko, maurício mendonça, everaldo, robertinho, lena horta, nana caymmi, flávio hugo, josé geraldo, márcio borges, nelson ângelo, ronaldo bastos, joão carlos pádua, fernando brant, wagner tiso, paulo guimarães, paulo jobim, joyce e tenório jr., que três anos depois desapareceu em buenos aires, argentina. Outro clássico disco básico pelo repertório e execução vocal e instrumental.

........ outro episódio histórico da trajetória do Clube da Esquina, outra grande obra de 1973, com o quarteto de base Wagner Tiso, Frederyko, Luís Alves e Robertinho Silva nos trinques, fazendo a síntese do acúmulo de experiências da banda desde 1969 na longa temporada em que ela acompanhou Milton Nascimento (sendo de início sexteto com Zé Rodrix e Tavito Moura - foto à esquerda), com o auxílio luxuoso de Danilo Caymmi, na flauta, Milton Nascimento e Golden Boys. Trechos aqui, em Minas, de Milton (1975), e outros episódios estão entre o melhor progrock do mundo.

Som Imaginario - 1970 1971
Aqui está a primeira versão do Tema dos Deuses, da trilha sonora do filme Os Deuses e os Mortos, de Ruy Guerra (1969), base da versão do álbum Milagre dos Peixes, de Milton Nascimento (1973). À época desses discos Som Imaginário é uma das bandas do rock brasileiro de segunda geração, então efervescente. Zé Rodrix lidava com o ovo de Colombo da música pop, o music-hall e o rock'n'roll desde James Dean e Neil Sedaka, com vertentes estilísticas básicas como o country-rock, do tex-mex e rockabilly às danças e toadas anglo-irlandesas do counry, e então ensaia com Tavito Moura, banhado nas águas do por assim dizer country mineiro, moda de viola, toada e congada, forte espírito rural, o country-rock tupiniquim - o ROQUE RURAL q lançaram com Som Imaginário e grupo Faya e depois Sá Rodrix & Guarabyra.

and by the way


grande piloto de guitarras, poeta e compositor -Terra dos Pássaros - Toninho Horta e Orquestra Fantasma - 1976

+ sobre Milton Nascimento + Clube da Esquina em MÚSICA DO BRASIL

DE  CABO A RABO 1. B Pai Grande

 

Outros Discos Básicos  Música do Brasil de Cabo a Rabo revoluciomnibus.com.com DISCBASICjorgetem7vidas.htm

 

revoluciomnibus.com ............................. Esse jornal é meu Revolver, esse jornal é meu sorriso

Durango Kid ...............

......

....MÚSICA DO BRASIL DE CABO A RABO

      veja e leia também em revoluciomnibus.com

 

 Música  do Brasil de Cabo a Rabo é um livro com a súmula de 40 anos de estudos de James Anhanguera no Brasil e na América do Sul, Europa e África. Mas é também um projeto multimídia baseado na montagem de um banco de dados com links para múltiplos domínios com o melhor conteúdo sobre o tema e bossas mais novas e afins. Aguarde. E de quebra informe-se sobre o conteúdo e leia trechos do livro Música do Brasil de Cabo a Rabo, compilado a partir do banco de dados de James Anhanguera.

         

          CORAÇÕES FUTURISTAS nunc et semper  AQUI  CoracoesFuturistas2008.html 

 

   Você já deve ter visto, lido ou ouvido falar de muita história da música brasileira da capo  a coda, mas nunca viu, leu ou ouviu falar de uma como esta

  Música  do Brasil de Cabo a Rabo

   Todas as histórias limitam-se à matéria e ao universo musical estrito em que se originam, quando se sabe que música se origina e fala de tudo.

   Por que não falar de tudo o que a influencia e de que ela fala sobretudo quando a música popular brasileira tem sido quase sempre um dos melhores veículos de informação no Brasil? Sem se limitar a dicas sobre formas musicais, biografia dos criadores  e títulos de maior destaque. Revolvendo todo o terreno em que germinou, o seu mundo e o mundo do seu tempo, a cada tempo, como fenômeno que ultrapassa - e como - o fato musical em si. 

               Destacando sua moldura

       dessa janela sozinho olhar a cidade me acalma

                dando-lhe enquadramento

       estrela vulgar a vagar, rio e também posso chorar...

                  histórico, social, cultural e pessoal. 

         Esta é também a história de um aprendizado e vivência pessoal.

    De um trabalho que começou há quatro décadas por mera  paixão infanto-juvenil, tornou-se matéria de estudo e reflexão quando no exterior, qual Gonçalves Dias, o assunto era um meio de estar perto e conhecer melhor a própria terra distante e por isso até mais atraente. E que como começou continuou focado em cada detalhe por paixão.                    

Música do Brasil de Cabo a Rabo

NARRATIVA DE APRESENTAÇÃO CONTINUA  AQUI

AQUI    CONTINUA APRESENTAÇÃO DE ÍNDICES E LINKS PARA TRECHOS DE CONTEÚDO ACESSÍVEIS EM

                                 revoluciomnibus.com

                                                                                                                                                               

MÚSICA DO BRASIL  DE  CABO A RABO       

   ÍNDICES

     Indice onomástico     mais de 3000 referências

artistas personagens e personalidades citados e com obras citadas e comentadas e standards internacionais associados

ENTRADA PARA ARTISTAS E REPERTÓRIO CITADOS E TRECHOS ACESSÍVEIS 

         PORTAL DE TODAS AS ENTRADAS PARA

   MÚSICA DO BRASIL  DE  CABO A RABO

ÍNDICE TEMÁTICO

repertório             mais de 4000 entradas

clássicos coletâneas STANDARDS

RITMOS ESTILOS FOLGUEDOS E INSTRUMENTOS

fontes bibliográficas 

FILMES VÍDEOS PROGRAMAS DE RÁDIO E TV PEÇAS TEATRAIS 

                                         

         ÍNDICE DOS CAPÍTULOS

          em negrito capítulos ou seções de capítulos com trechos acessíveis a partir de seus títulos

                        

  O LIVRO DA SELVA 

      Productos Tropicaes   e   Abertura em Tom Menor

        1.    O BRASIL COLONIZADO

                raízes & influências Colônia e Império   

               1. A  Um Índio     1. B  Pai Grande    1. C   Um Fado  

        2.     TUPY E NOT TUPY 

formação de ritmos e estilos urbanos suburbanos e rurais    

    Rio sec. 19-sec. 20 - Das senzalas às escolas de samba

        3.     Os Cantores Do Rádio    

                   a  ESTreLa SoBE

              CARMEN MIRANDA DE CABO A RABO

                                                     fenômeno da cultura de massa do século XX

                        

        4.     BOSSA NOVA do Brasil ao mundo      

                Tom Jobim   INÚTIL PAISAGEM  

                     

5. BOSSA MAIS NOVA o Brasil no mundo

6.
TROPICALIA TRIPS CÁLIDOS E a manhã tropical se inicia      


.....................................................Detalhe de cenário de Rubens Gershman para montagem de Roda Viva, Teatro Oficina, 1967

 

    O LIVRO DE PEDRA

        PARA LENNON & McCARTNEY           

        VIDA DE ARTISTA crise e preconceito = inguinorãça

        CENSURA: não tem discussão. Não          

 

......... POE SIA E MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

        O SOM É MINAS: OS MIL TONS DO PLANETA        

        MARIA TRÊS FILHOS

        (SEMPRE) NOVOS BAIANOS         

        NORDESTONTEM NORDESTHOJE

       RIO &TAMBÉM POSSO CHORAR MusicadoBR_R_VaporBarato.htm       

       FILHOS DE HEITOR VILLA-LOBOS

INSTRUMENTISTAS & INSTRUMENTAL

              Sax Terror      

       SAMBA(S)

       BLEQUE RIO UM OUTRO SAMBA DE BREQUE        

       FEMININA

       MULHERES & HOMENS NO EXÍLIO

             o bêbado exilado & a liberdade equilibrista

       ANGOLA          

       ROCK MADE IN BRAZIL

             ou Quando a rapeize solta a franga

       LIRA PAULISTANA            

       CULTURA DA BROA DE MILHO

       LAMBADA  BREGANEJO AXÉ  E  SAMBAGODE

       RIO FUNK HIP SAMPA HOP

             E DÁ-LE MANGUE BITE RAPEMBOLADA

       DRUM’N’BOWSSA            

       CHORO SEMPRE CHORO     

       INSTRUMENTISTAS & INSTRUMENTAL II  

              SAX TERROR NA NOVA ERA

ECOS E REVERBERAÇÕES DO SÉCULO DAS CANÇÕES

        De Pelo Telefone a Pela Internet

    MÚSICA DO BRASIL  em A triste e bela saga dos brasilianos    

    MÚSICA DO BRASIL em ERA UMA VEZ A REVOLUÇÃO          

   D'après João Botelho (1978) d'après Elifas Andreato (1976)

 


Elifas Andreato: capa do LP Confusão Urbana Suburbana e Rural de Paulo Moura

 

  

r MAPA DO SITE MAPA DA MINA         revoluciomnibus.com        

  ciberzine & narrativas de james anhanguera              QUEM SOMOS            e-mail

 a triste e bela saga dos brasilianos do desastre de Sarriá às arenas italianas

 la triste e bella saga dei brasiliani dalla strage di Sarrià alle arene italiane

so listen to the rhythm of the gentle bossa nova  

  narrativas  de  rock  estrada  e  assuntos  ligados  

Notícias

             do          

   Tiroteio

A Fome no Mundo e os Canibais 

meio século de psicodelia e bossa nova

 

MÚSICA DO BRASIL

DE  CABO A RABO

 

  Eternit    alvenaria    móveis das casas bahia sambagode   breganejo   rap funk & derby azul  no  sacolão  do  faustão

Novelas & Trivelas  

Boleros & Baladas

 

  LusÁfricabrasileira

   lusáfricabraseira

           você está aqui    

 

revoluciomnibus.com eBookstore

acesse a íntegra ou trechos de livros de james anhanguera online a partir DAQUI

 

revoluciomnibus.com - ciberzine & narrativas ©james anhanguera 2008-2021 créditos autorais: Era Uma Vez a Revolução, fotos de James Anhanguera; bairro La Victoria, Santiago do Chile, 1993 ... A triste e bela saga dos brasilianos, Falcão/Barilla: FotoReporters 81(Guerin Sportivo, Bolonha, 1982); Zico: Guerin Sportivo, Bolonha, 1982; Falcão Zico, Sócrates, Cerezo, Júnior e seleção brasileira de 1982: Guerin Sportivo, Bolonha, 1982; Falcão e Edinho: Briguglio, Guerin Sportivo, Bolonha, 1982; Falcão e Antognoni: FotoReporters 81, Guerin Sportivo, Bolonha, 1981. E-mAIL

educação diversão desenvolvimento humano

facebook.com/ james anhanguera twitter.com/revoluciomnibus instagram.com/revoluciomnibus youtube.com/revoluciomnibus

TM .........................

Carolina Pires da Silva e James Anhanguera

TM